quarta-feira, 6 de julho de 2011

Primeiro de muitos.

Foi naquele dia de fevereiro, eu me preparava na nova casa, tomava um banho matinal e olhava no espelho, “então idiota, caçou encrenca, agora aguenta”. Não tomei café e fui pra nova “escola”. Sentei afastado e olhei todos que chegaram. Fui avaliando quem teria um potencial perfeito pra ser meu amigo, afinal tem que alcançar as metas pra desfrutar da minha amizade, sou um prêmio.
Então passou a aula e meus amigos, fui surpreendido por um grupo de veteranos felizes e sorridentes nos dando boas vindas, nos chamando pra ir em um trote feliz e limpo. Claro, como calouro, eu acreditei.
trote
Eu super feliz subindo o morro fdp.

Então foi a semana mais difícil que eu já passei na vida, o processo de adaptação dói. Você não quer mudar, você quer voltar pra casa, para seu quarto, mesmo que seu amigo de quarto seja muito legal ( sim João Augusto você é um grande amigo), mas passam as semanas, os dias, e você se adapta, outro dia me vi indo ao hospital sozinho, doente das amídalas, sem minha mãe do lado. Então eu comecei a ver que eu estava crescendo, e diga-se de passagem, para os lados também.
Grandes amizades começaram a selar nesse período, pessoas interessantes eu conheci e outras, bom, o destino cuida bem disso.
Aprendi tanta coisa, teorias comunicacionais, Webber, periódicos no Brasil, como um isopor some na acetona (isso é lindo, dica), e diversas coisas que pra mim são importantes. Quanto ao meu curso, bom, eu não sei se vou trabalhar na televisão, muito menos no “Casos de Família”, só sei que estou fazendo o curso, descobrindo-o, não tenho certeza se é isso, mas Viçosa agora me atrai, subo aquela ladeira sem problema algum, ando pela reta sem minhas pernas doerem, vou até no Colégio Viçosa fazer uma entrevista sem reclamar.
Bom o que eu tenho a dizer é que eu estou feliz, e agradecido, obrigado Deus por ter me dado tanta coisa legal junta, parece um combo de felicidade.
2011-06-12 avulsas
Mas que porra é esta?